Encontro Mistral 2019

Nesta semana foi realizado uns dos encontros mais importantes do mundo vinho o Encontro Mistral 2019 foi realizado nos dias 27 e 28 de maio em São Paulo , estavam presentes 68 renomados produtores, criado em 2003 e realizado a cada dois anos, o evento chega a sua 9ª edição como um dos mais respeitados eventos de vinho do Brasil.
Neste ano contou com presença de vários produtores e das melhores vinícolas do novo e velho mundo, como Catena Zapata, Vega Sicilia, Joseph Drouhin, Chapoutier, Graham’s, Luis Pato, Quinta do Vale Meão, Viña Montes, Lapostolle, Boekenhoutskloof, Ernesto Catena, Amayna, Bodegas Caro, Chryseia, Paolo Coppo, Badia Coltibuono, Castello di Montepò, Soalheiro, e tantos outros — incluindo mesas especiais de vinhos alemães e gregos, e demonstração das diversas linhas de taças Riedel.

Vinhos fortificados brancos da Ilha da Madeira

Vinícolas das principais regiões produtoras de 14 países foram representadas por seus proprietários ou enólogos, foram mais de 450 grandes rótulos apresentados
Entre presentes neste encontro o espanhol Miquel Ángel Cerdà, proprietário da Ànima Negra e Terra de Falanis; o francês Jean-Louis Despagne, da Château Tour de Mirambeau; e os italianos Roberto Stucchi, enólogo da Badia a Coltibuono, Paolo Coppo, da Coppo, além de Paolo Campagnola, da Campagnola e Luca Speri, da Speri, duas vinícolas que entraram recentemente para o portfólio da importadora.
Portugal teve uma grande representação com o enólogo Luis Patrão, da Herdade de Coelheiros, Luis Cerdeira, proprietário da Soalheiro, e voltam ao país produtores já conhecidos do público, como Diogo Campilho, da Quinta da Lagoalva, Maria Castro, da Quinta da Pellada, e Luis Pato, uma das maiores celebridades do vinho português.

Jean-Louis Despagne

Do Novo Mundo, participaram os chilenos Maria Paz e Matias Garcés, proprietários da Viña Garcés, e os enólogos Bernardo Troncoso, da Viña Montes, Emily Faulconer, da Viña Carmen, e Andrea Leon, da Lapostolle; o argentino Ernesto Catena, proprietário da Tikal; e os brasileiros Luís Henrique Zanini e Ana Paula Valduga, proprietários da Vallontano.
O destaque foram Joseph Drouhin e Georges Vigouroux; as gregas Gaia, Boutari e Cambas; as espanholas Vega Sicilia, Alión, Pintia, Pesquera e Viña Bujanda; as alemãs Selbach Oster e Robert Weill; as sul-africanas De Wetshof e Boekenhoutskloof; a húngara Oremus; e as argentinas Catena Zapata, El Enemigo e Bodegas Caro.

Selbach Oster este vinho foi uns dos destaques no encontro Mistral , vinho alemão colheita tardia , porém ele um Trocken significa que seco , maravilhoso
Montepaone IGT 2003 , Castello di Montepò / Jacopo Biondi Santi 100% Cabernet Sauvignon, vinho bem evoluído , ja com pouco oxidação que achei ótimo , os vinhos do Château Tour de Mirambeau;Girolate , Caterina Zardini , Amarone , classico Reserva safra 2012, pronto para beber , não esquecerei, os vinhos fortificados brancos da Ilha da Madeira de 5 e 10 anos, destilados Grappa da Berta Roccanivo envelhecido 8 anos .

Vertical do Gran Enemigo, do mesmo ano, no mesmo corte mas de altitudes diferentes, e o maravilhoso Bonarda, safra 2014, espumante nacional LH Zanini safra 2014, natural, vinhas velhas safra 2015, Luiz pato, o Joseph Drouhin seu Vosne , muito bom , equlibrado e fresco, e o chablis Grand Cru, safra 2012, vale cada dolar, como o Chassagne Montrachet, premier Cru, Alian 2013, Pintia 2013 dispensa comentários, Oremus , Tokaji safra 2006, obrigação degustar este vinho.
Foto watermag

Compartilhe nas redes sociais!

0 Comments Join the Conversation →


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *