Quatorze bares da cidade aceitam o desafio de criar drinques inéditos com cachaça, a mais brasileira das bebidas

Wellington Nemeth

‘Cranlec’, do Na Mata

 

Wellington Nemeth

‘Limão Brasil’, do Frangó

Wellington Nemeth

‘Cajurica’, do Bar Número

 

Que a caipirinha é um dos ícones do Brasil, fora e dentro do País, todo mundo já sabe. Com certeza, é uma das primeiras palavras aprendida e gravada por um estrangeiro, ao lado de futebol e carnaval. Mas nem sempre a cachaça − só reconhecida como “produto genuinamente brasileiro” pelo governo americano em Abril de 2013 − está presente em outros drinques e coquetéis além da tradicional caipirinha.

Em 2011, a Indústria de Bebidas Pirassununga (Ibpira), que produz a cachaça extra premium Cambraia, criou a Conexão Cambraia, evento para desafiar bartenders da cidade na criação de drinques tendo a cachaça como protagonista principal. E, ao mesmo tempo, desafiar também o consumidor, convidando-o a experimentar drinques e coquetéis que usam a cachaça brasileira em lugar de outros destilados.

Neste ano, a Conexão Cambraia chega à sua terceira edição e reúne 14 importantes bares de diferentes pontos da cidade − das regiões Centro, Sul, Oeste e Norte. De 13 de Setembro a 11 de Outubro cada um desses bares terá em seus dois drinques especialmente criados para o evento com a Cachaça Cambraia − em todos eles é usada a Cachaça Cambraia 1 Ano, envelhecida durante 12 meses em barris de carvalho francês, bebida perfeita para a criação de drinques.

No total, a Conexão Cambraia 2014 tem 28 opções de coquetéis, criando uma conexão entre os bares e sugerindo ao paulistano um verdadeiro e tentador “tour etílico” para deixá-lo ainda mais apaixonado por cachaça. Como resistir?
Uma dimensão diferente para a cachaça – “Estamos muito entusiasmados com esta nova edição da Conexão Cambraia”, afirma Carolina de Tommaso, diretora da Ibpira e responsável pelo marketing da Cachaça Cambraia.

O Dia Nacional da Cachaça, 13 de Setembro, foi instituído em 2010 pela Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados. A escolha da data está ligada à história: em 13 de Setembro de 1661 aconteceu o que é conhecida como a Revolta da Cachaça, uma revolta popular contra a colônia portuguesa pela legalização da cachaça que, até, então, era proibida. Segundo Ricardo Dias, bartender do Paribar, localizado no centro de São Paulo, “um evento como a Conexão Cambraia ajuda a dar uma dimensão diferente, muito mais ampla e justa, para a cachaça. Não podemos esquecer que, no Brasil, a cachaça ainda sofre muito preconceito”. Para Clébio Mendes, bartender do bar-restaurante A Mineira, “um evento com essa proposta ajuda a abrir a mente não apenas do consumidor e do bartender, mas também do produtor de cachaça. Segundo ele, “temos que ter orgulho da cachaça e valorizá-la com a mesma força, por exemplo, com que os mexicanos valorizam a tequila e os argentinos o seu vinho”.

 

[Fotos: Wellington Nemeth]

Compartilhe nas redes sociais!

0 Comments Join the Conversation →


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *